65% das cervejarias artesanais do Paraná utilizam barril de PET

 

O Paraná conta com 93 indústrias cervejeiras, sendo que 94,7% são consideradas microcervejarias e concentram a maior parte da produção da cerveja artesanal no estado. Deste total , cerca de 65% já utilizam o barril de PET para o transporte da produção. Os dados referente ao número de cervejarias são da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

O primeiro barril 100% reciclável da América Latina, fabricado em Araucária, no Paraná, é reflexo do crescimento do mercado de cervejas artesanais e também de novos negócios gerados pelo setor.
Segundo dados da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), o mercado das cervejas especiais tem crescido entre 20% e 30% no ano.

“Já um levantamento recente feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, órgão regulamentador do setor cervejeiro no Brasil, aponta que já passamos da marca de 600 cervejarias no Brasil, sendo a grande maioria microcervejarias, produzindo mais de 7.500 cervejas diferentes”, conta o diretor da Beerkeg, Renato Araújo.

Para ele, o sucesso do Beerkeg entre as cervejarias artesanais se deve ao fato de que o barril de PET – com capacidade para até 30 litros de chope – elimina os custos com logística reversa e armazenamento, já que é descartável.
“O Beerkeg é 80% mais barato e tem 13 quilos a menos que os barris de inox”, completa Renato Araújo.

Outra vantagem do Beerkeg é que ele garante as características da cerveja por até um ano após o envase. “Sentimos a necessidade de proteger o barril e 100% dos BeerKegs são enviados aos clientes na embalagem de papelão e sem custo adicional, o que é uma prática comum no mercado”, comenta Eduardo de Liz Martins, diretor administrativo e financeiro da empresa Beerkeg.

A fábrica da Beerkeg possui capacidade para produzir 2,1 mil barris por dia. A produção é 100% enclausurada, com controle de partículas para classe 100 mil partículas por FT3 (pé cúbico) e três sistemas de filtragens para evitar qualquer tipo de contaminação.
De acordo com o cervejeiro e sócio da Beerkeg, Hamilcar Neto, os barris suportam pressão de até 50 PSI. “As cervejas são transportadas na contra-pressão. O gás carbônico é o responsável pela carbonatação da cerveja, ou seja, o colarinho que faz quando é colocada no copo”, explica. Segundo ele, o armazenamento deve ser feito entre 0ºC e 35ºC”.

Aprovação
O cervejeiro responsável pela Hop Land, Rodrigo Assis, afirmou que o Beekeg traz facilidades para a fábrica. “É um produto fantástico. Ajuda muito na hora da locação da câmara fria, já que ocupa menos espaço. Também tem a questão da alça, que nos ajuda a carregar ele com mais facilidade. O nosso esforço físico também é menor, se comparado aos outros barris que são mais pesados”, afirmou.